TENHO CERTEZA DE QUE VOCÊ TAMBÉM JÁ SENTU ISSO AO ENCONTRAR SOLUÇÕES TÃO BEM RESOLVIDAS, MUITAS DELAS TÃO SIMPLES, QUE VOCÊ QUER SE ESTAPEAR POR NÃO TÊ-LAS IMAGINADO ANTES.

E ENQUANTO TICO E TECO NÃO PERMITEM QUE EU TENHA UMA LUZ DESSAS, COMPARTILHO AQUI COM VOCÊS AS IDÉIAS LEGAIS QUE TENHO VISTO POR AÍ.


O meu natal!



Conheço gente que se deprime no natal, que se isola, entristece. Eu não!

Meus natais na infância/adolescencia sempre significavam duas coisas muito importantes. Primeiro, que era dia de reunir toda a família (materna), avós, tios, primos distantes. Aquelas pessoas queridas, muitas delas que eu só revia nesta data. E segundo, que meu aniversário estava próximo.

Minha mãe vem de uma família de (pasmem!) 14 irmãos.  E então imaginem, cada um com seus respectivos cônjuge e filhos... 50 pessoas, fácil! Era uma festa deliciosa, a ceia com mesa farta, troca de presentes, amigo-secreto e à meia-noite ouvia-mos um sininho ao longe e logo alguém vestido de papai noel entrava carregando nossos presentes. Eu como a neta mais velha já havia perdido a crença na fábula, mas vibrava ao ver a alegria dos pequenos, encantados, hipnotizados naquela figura de sombrancelhas e barba de algodão e barriga de almofada.

Quanto ao meu aniversário, qualquer pessoa que o comemore próximo ao Natal sabe que isso é um horror! Pra uma criança é frustrante ouvir: "olha, o presentinho é de natal e aniversário viu!" Humpf.
Mas superei. Mesmo! Hoje sei que isso é o que menos importa.

Quando meus avós se foram, seus filhos já eram avós e alguns se incumbiram de fazer as ceias de Natal com suas famílias, filhos e netos. Nos dispersamos e aquele encontro anual não acontece mais. Moramos em cidades diferentes entre o estado de São Paulo e Minas Gerais e eu hoje, não conheço os integrantes mais jovens da família, filhos dos meus primos. Infelizmente, agora nos encontramos, e nem sempre todos, em casamentos ou funerais.

Fiquei uns tempos alheia à comemoração. Alguns anos aproveitava as férias do marido e viajava pra longe, com ou sem os meus pais e assim foi. Já tentei ser a anfitriã, mas com um apartamento pequeno o número de convidados é limitado e pra mim não tinha mais aquela magia da casa cheia de gente.

Aprendi que reunir a família e as pessoas que amamos é importante claro, mas não é tudo. Que não é preciso estar próximo fisicamente para estarmos juntos. Mesmo àqueles que já se foram pra outro plano. Que à meia noite, na hora da minha prece, esteja eu onde e com quem estiver, basta fechar os olhos que revivo os sons, os cheiros, toda energia e boas vibrações daqueles tempos e meu coração se enche de amor.

Hoje curto o natal por si só. Por tudo que ele simboliza, não comercial, mas espiritualmente. Comemorar o nascimento Daquele que um dia viveu para nos deixar uma lição de humildade, de paz, de amor ao próximo que infelizmente não conseguimos aprender ainda.

Desejo a todos um Natal muito feliz, que estejamos conscientes do seu verdadeiro significado e que o amor seja o principal sentimento em nossas vidas. Pois tudo o que fazemos com amor é o melhor de nós.

Ai Jisuis! Estou me preparando psicologicamente para entrar nos "enta" dia 26. Ui!
  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • Twitter
  • RSS

7 Response to "O meu natal!"

  1. Fernanda Reali says:
    sex dez 24, 05:31:00 PM

    Lindo post! Aqui em casa é tudo ao contrário, só nós 4. Optei assim para não ter os estresses de sempre. Infelizmente, não tenho lembranças boas de nenhum natal, acreditas? bem, o que eu vim fazer aqui é te deixar um beijo! Boas festas!

  2. Ana Maria Braga says:
    sex dez 24, 08:18:00 PM

    Tb adoro o Natal, mas minha familia só comemora amanhã. Hj fico mesmo em casa com o marido e filhas. MInha mãe vem aqui tb, mas a comemoração hj é simples.
    Minha familia são umas 30 pessoas quando juntamos todos. É uma alegria só. E isso acontecerá amanhã.
    Feliz Natal para nós todos.
    Bjs

  3. Sonia de Sá says:
    sáb dez 25, 10:15:00 AM

    KELLY,
    Sou seguidora do seu blog. Costumo passar por ele sempre, mas não deixo comentários, na maioria das vezes, por pressa de visitar todos os blogs que sigo.
    Hoje, parei e não pude deixar de comentar.Vc me emocionou.
    Que post lindo!
    Tenho recordações ótimas e outras muito ruins de Natais passados. Ao ler este post, passou um filme na
    minha cabeça e eu chorei.Meu coração se encheu de amor, que é o que importa, não é mesmo?
    Um feiz dia de NATAL!
    Amanhã, um feliz ANIVERSÁRIO! Entra nos "ENTA" não dói. Vc vai ver. Já passei por isto e posso lhe assegurar.
    bjs SONIA de SÁ do blog:
    quartosdebebebysoniadesa.blogspot.
    com

  4. Paula Louceiro says:
    dom dez 26, 06:11:00 PM

    Oi Kelly, que legal casa cheia.
    Na minha família nunca teve muito disso, mas depois que me casei passei a ir pra casa dos avós do marido que reune toda a família. É uma delícia!!!
    Esse ano o avô dele faleceu e ficou um pouco diferente, porque ele era muito brincalhão, sempre fazendo palhaçadas e fazendo piadas dele mesmo (era português). Mas não foi triste, foi apenas diferente...

    Aproveito pra lhe desejar um aniversário maravilhoso junto de seus queridos e um 2011 repleto de realizações.

    Bjokas

  5. Liliane de Paula says:
    seg dez 27, 09:00:00 AM

    Qdo eu era pequena detestava o monte de irmãos que tinha. Agora já muitooooo crescida, adoro. E qdo junta tudo aí é que fica bom.

  6. Marly says:
    ter dez 28, 04:51:00 PM

    Oi, Kelly,

    Gostei do post e gostei do blog, por isso vou me incluir entre os seguidores. Ingresse firme na era dos 'enta', o melhor está por vir!
    Feliz aniversário adiantado! E feliz 2011 rsrs.

  7. Artemizia says:
    ter dez 28, 05:13:00 PM

    Adorei seu post. Confesso que me identifiquei demais em suas palavras e sentimentos.
    Tenho tentado aprender a ver esse período de forma diferente e largar essa coisa de tristeza que sempre me acompanhou desde a infância.
    Eita, estou dois dias atrasada nos parabéns?!? - Feliz Niver e muitas felicidades!
    Que você também tenha um Ano Novo com muita saúde, paz e realizações.
    Abraço carinhoso.